0

Seu carrinho está vazio

Dietas à base de plantas: uma reflexão sobre o nosso passado, presente e futuro

julho 19, 2021

Peter Drucker, considerado o pai da Teoria da Administração, dizia que “A melhor maneira de prever o futuro é cria-lo”. E quando falamos da tríade alimentação, saúde e meio ambiente, essa frase se encaixa perfeitamente. A dieta moderna centrada em alimentos de origem animal e ultraprocessados é devastadora para a saúde pública e planetária, contribuindo para o surgimento de doenças crônicas, morte prematura e degradação ambiental.

Nas últimas décadas, o papel da dieta e o seu impacto na saúde e qualidade de vida foi ampliado e esclarecido. Não há dúvidas do potencial das intervenções dietéticas e mudanças de estilo de vida no tratamento de doença cardiovasculares, melhora na resistência à insulina, normalização da pressão arterial, controle do diabetes, retardo da progressão de doenças neurodegenerativas e muito mais. A dieta e o estilo de vida podem alterar a expressão do gene, superar o alto risco genético e até mesmo mudar a própria arquitetura de nossos cromossomos. E são consistentes e convincentes as evidências de que uma alimentação predominantemente ou exclusivamente, baseada em alimentos vegetais pode beneficiar a saúde, prevenir, tratar e reverter doenças e, ainda, reduzir os impactos ambientais.

Dietas à base de plantas são um terreno fértil para debates fervorosos, brigas entre acadêmicos e exageros da mídia. Um dos argumentos é que o ser humano está no topo da cadeia alimentar, é onívoro, e por isso precisa comer carne. As contribuições relativas da carne e das plantas para a dieta humana nativa e sua adaptação a esses alimentos ainda são discutidos entre os estudiosos e especialistas em evolução humana. Alguns alegam quenos comportamos como animais onívoros, uma vez que conseguimos seguir com uma dieta a base de vegetais e alimentos de origem animal. Já outros dizem que temos características herbívoras. Seja onívoro ou herbívoro,isso significa que nos especializamos em escolhas alimentares. Temos opções para nossas fontes de gordura na dieta. E evidências sugerem que quanto mais vierem de fontes vegetais como oleaginosas, sementes e frutas, menores serão as taxas de mortalidade por todas as causas, principalmente doenças cardiovasculares. Temos opções para nossas fontes de proteína. E muitos estudos mostram que quanto mais optarmos por fontes de origem vegetal ao invés de fontes animais, menores nossas taxas de mortalidade por todas as causas.

O fato é que quando éramos poucos, espalhados e em busca de alimento, tínhamos as opções nativas dos onívoros. Os animais caçados eram selvagens, ativos, livres para perambular e sustentados por uma dieta nativa de plantas selvagens. Para a atual população humana caçar o próprio alimento, seria necessário 15 vezes a área de superfície do nosso planeta. Neste planeta, a única maneira de satisfazer as inclinações carnívoras dos humanos em escala é com métodos de produção em massa que adulteram a composição dessa carne, impõem abusos horríveis aos animais, minam a saúde pública e devastam o planeta.

Ao olharmos para trás, podemos até dizer que somos descendentes de onívoros com escolhas alimentares. Ao olhar ao redor, devemos reconhecer os custos terríveis das nossas más escolhas e todo impacto na saúde e no meio ambiente, e que as nossas opções de escolhas diminuíram. E olhar para o futuro, nos convida a demonstrar e colocar em prática o que já sabemos sobre a escolha alimentar ideal para a saúde das pessoas e do planeta. Não devemos perder tempo prevendo o futuro dos alimentos; devemos, com urgência, criá-lo.

Dessa forma, o que deveríamos comer, então, para reversão de doenças e promoção da saúde, tanto humana quanto planetária, é bastante claro. É bem aceito por alguns, claramente inconveniente para outros, mas, a verdade é que todos deveriam ter uma alimentação predominantemente baseada em vegetais. O “o quê?” comer no futuro não está em questão. As perguntas são todas sobre "como" chegamos lá a partir daqui.

 

Referências:

  1. Katz, David L. Plant-Based Diets for Reversing Disease and Saving the Planet: Past, Present, and Future. Adv Nutr 2019;10:S304–S307. 2019
  2. Sabaté, Joan; Soret, Sam. Sustainability of plant-based diets: back to the future. Am J Clin Nutr. 100(suppl):476S–82S. 2014

 



Ver outros artigos

A relação entre o consumo de leite e o uso de terras
A relação entre o consumo de leite e o uso de terras

julho 28, 2021

A influência da suplementação de creatina no funcionamento cognitivo de vegetarianas e onívoras
A influência da suplementação de creatina no funcionamento cognitivo de vegetarianas e onívoras

julho 26, 2021

TRAIL RUN: UM ESTILO DE VIVER
TRAIL RUN: UM ESTILO DE VIVER

julho 21, 2021